Por: Marco Clivati –

Às vezes, até parecemos robôs precisamente programados. Nessa inconsciente mecanização, perdemos preciosas oportunidades. Deixamos de saborear a vida. Não é diferente na hora da refeição. Enquanto comemos, sem estarmos em total conexão com o ato de se alimentar, deixamos de admirar a beleza dos alimentos, de apreciar seus sabores e, até mesmo, de absorver seus preciosos nutrientes.

A hora da refeição precisa ser contemplada e celebrada como o dançar. Deve ser encarada como um dançarino que se entrega totalmente à canção e faz com que seus gestos e passos se tornem extensão da melodia.

O momento da refeição é sagrado. Somente com total entrega e conexão é possível se alimentar de forma integral e consciente. Por isso, deixe o robô de lado e faça um convite ao dançarino que habita dentro de você. A vida vai ficar muito mais saborosa.

 

Esse texto foi retirado da Revista dos Vegetarianos, seção Editorial, edição 72.