Por: Samira Menezes –

Apesar de ser um tipo de gordura saturada, aquela considerada perigosa para o coração, ele não é ruim para a saúde e, para alguns nutricionistas, é a melhor opção para ir para a panela. Mas não só: ele ainda ajuda a emagrecer! “O óleo de coco ajuda no sistema imune, previne doenças cardiovasculares, balanceia os hormônios e ainda mata bactérias, fungos e protozoários, por causa da presença do ácido láurico. Por ser fonte de triglicerídeos de cadeia média (TCM), um tipo de gordura que ajuda demais no fornecimento de energia, ele também auxilia a queima de gordura e a diminuição do peso corporal, quando associado com atividade física”, destaca a nutricionista Prisicla Di Ciero, especialista em Nutrição Esportiva.

Ela explica que apesar de ser uma gordura saturada, a presença desse TCM (triglicerídeo de cadeia média) faz com o óleo de coco seja considerado um óleo do bem, se consumido com moderação – não mais do que duas colheres de sopa por dia associado a uma alimentação balanceada. “Em excesso e dentro de uma dieta desbalanceada, a gordura saturada pode levar a problemas de saúde, como aterosclerose (endurecimento dos vasos sanguíneos) e outros problemas metabólicos. Cerca de 40% da gordura do óleo de coco são do tipo saturada, as demais gorduras são TCM que não se acumulam nas artérias nem causam endurecimento dos vasos sanguíneos”, explica Priscila, que não recomenda o uso do óleo de coco para pacientes cardíacos ou com colesterol ruim elevado. “Somente após uma detalhada avaliação medica e nutricional, o paciente pode fazer uso do óleo de coco”, adverte.

Esse trecho foi retirado da Revista dos Vegetarianos, seção Matéria de capa, edição 89.